Diana Quer, a adolescente espanhola que desapareceu, sem deixar rasto, a 22 de agosto, já esteve desaparecida outras vezes. A informação é avançada pelo El Mundo, que revelou que a mãe da adolescente ocultou às autoridades que a filha já tinha fugido noutras ocasiões por discussões parecidas com a que teve na noite em que Diana saiu de casa pela última vez. 

Segundo fontes citadas pelo o jornal espanhol, Diana desapareceu em abril último, mas a mãe não comunicou o seu desaparecimento à polícia. Três dias depois, a jovem regressou a casa. O motivo para ter saído de casa sem avisar ninguém? Uma discussão com a mãe. Ou de acordo com as mesmas fontes, mais uma discussão.

Andavam sempre a discutir. Aliás, este verão a Diana já tinha dito à mãe que ia desaparecer para nunca mais voltar”, afirmam fontes próximas da jovem - já interrogadas pelas autoridades -, acrescentando que Diana fugiu várias vezes, mas, mais cedo ou mais tarde, regressou a casa. 

Uma das suas melhores amigas revelou que Diana “enganava” a mãe repetidamente dizendo-lhe, por exemplo, que ia ter com o pai e desaparecia para outro lugar. Outra das maneiras de chatear a progenitora era desligar o telemóvel e desaparecer durante horas, para a preocupar.

Quando desapareceu não me preocupei. Sabia que ela voltaria, mas agora não percebo nada. A Diana já teria voltado. É muito louca, mas nem tanto para desaparecer desta maneira. Sempre ameaçou fazê-lo, mas desta vez podem tê-la feito desaparecer."

Utilizadora frequente das redes sociais era lá que dava conta de todos os seus passos e onde conhecia rapazes dos quais se queixava mais tarde. A sua conta no Twitter está repleta quer de mensagens apaixonadas, como de mensagens revoltadas contra supostos rapazes. Foi lá também que escreveu que lhe “faria bem desaparecer uma temporada”.

A mensagem, datada de 26 de julho de 2015, surge depois de mais um desgosto amoroso. Segundo uma rapariga que convivia com Diana, a jovem "estava muito apaixonada por um rapaz que lhe fez a vida num inferno e com quem viveu um episódio traumático".

Ele não a ajudou e ela sentia-se abandonada. Isso, a juntar ao facto de não suportar a mãe e não querer ir viver com o pai, provocou-lhe uma infelicidade constante. Ela estava chateada com o mundo por causa das circunstâncias difíceis em que tinha de viver", contou a mesma rapariga.

Em entrevista à revista Crónica, o rapaz que partiu o coração a Diana pede que "não o metam neste enredo". 

Não tenho nada a ver com o desaparecimento de Diana, nem vos vou contar tudo o que sei dela", afirmou, acrescentando que não se sente responsável pela hipotética fuga da jovem.

Se Diana fugiu ou foi levada, a polícia ainda não sabe mas não descartam nenhuma linha de investigação num caso que afirmam ser complexo e em que as buscas são como "procurar uma agulha num palheiro". 

A cronologia dos acontecimentos indicia que a mãe deixou Diana com as amigas junto a um parque de diversões, em A Pobra do Caramiñal, norte de Espanha, por volta das 22:30. A mãe terá voltado a contactar a filha nessa noite, pela 01:30, para saber se queria que a fosse buscar e Diana disse que não. Pelas 02:30, Diana terá enviado uma mensagem a um amigo a dizer que estava “apavorada”.

No entanto, às 03:30 da madrugada de 22 de agosto, Diana foi a casa da mãe trocar de calças, facto que inicialmente a progenitora ocultou das autoridades

A investigação tenta perceber se Diana entrou ou não num carro nessa noite. Mais dúvidas do que certezas sobre o desaparecimento da jovem madrilena de 18 anos. O pai, que não vivia com as filhas desde o divórcio em 2013, admitiu numa entrevista televisiva que Diana estava “vulnerável” e levantou reservas sobre algumas “amizades”.

O caso esta a ser investigado pelos mesmos agentes do caso Asunta.