Fonte da presidência tunisina confirmou à Reuters a detenção de nove pessoas suspeitas de ligações ao ataque de quarta-feira ao museu Bardo. 

Um anúncio que surge pouco depois do primeiro-ministro, em entrevista à rádio RTL, ter dito que os sequestradores se chamavam Yassine Labidi e Saber Khachnaouie e que um deles estava identificado pelos serviços de segurança. O primeiro-ministro Habib Essid adiantou ainda que não é claro a que organização terrorista pertencerão.

Vinte e três pessoas morreram. Muitas delas eram turistas estrangeiros. Quatro italianos, um francês, dois colombianos, cinco japoneses, um polaco, um australiano e um espanhol (O Governo de Madrid confirmou dois) morreram no ataque, faltando identificar a nacionalidade de outras duas vítimas.

O turismo é uma das maiores fontes de receitas da Tunísia, por isso, as autoridades estão empenhadas na caça ao homem, de modo a tranquilizar os turistas. Como aqueles que se passeiam em cruzeiros. Uma companhia italiana declarou à Reuters que cancelou a escala dos seus navios em Tunes. As autoridades tunisinas também reforçaram a segurança noutras cidades do país.