Três pessoas foram esta terça-feira detidas no âmbito do inquérito ao duplo homicídio na segunda-feira à noite de um polícia e da mulher, reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI), disse fonte policial.

Estas pessoas "são conhecidas" do assassino, Larossi Abballa.

De acordo com a agência Reuters, o procurador de Paris avançou que o suspeito jurou lealdade ao líder do Estado Islâmico Al Baghdadi e que os investigadores que estão a tomar conta do caso encontraram uma lista de alvos de Abballa, que incluiam jornalistas e polícias.

O homem que esfaqueou um polícia até à morte e fez reféns a mulher e o filho da vítima na residência da família foi abatido numa operação da polícia de elite em Magnanville, um subúrbio do noroeste de Paris.

O alegado autor do duplo homicídio, identificado como Larossi Abballa, tinha 25 anos e foi condenado em 2013 por participar numa fileira ‘jihadista’, entre a França e o Paquistão, segundo a AFP, que cita várias fontes não identificadas.

Julgado com outros sete réus, foi condenado a três anos de prisão, com seis meses de pena suspensa, por "associação criminosa com vista à preparação de atos terroristas", segundo uma fonte próxima do processo.