A China destruiu esta sexta-feira 600 quilogramas de marfim, numa ação presenciada pela imprensa e diplomatas estrangeiros.

A iniciativa teve como objetivo mudar a imagem do país como centro de comércio global de presas de elefantes.

O marfim, em parte já trabalhado, foi destruído por uma máquina nos arredores de Pequim.

O aumento da procura de marfim na Ásia tem provocado a subida da morte de elefantes africanos, acusam os grupos de proteção animal, que são citados pela Lusa. Estes grupos alegam que as autoridades não conseguem controlar as redes de contrabando internacional.