A ciência procura explicar se existe relação entre a morte de casais com escassos dias ou mesmo horas de diferença entre cônjuges e o desgosto de perder a cara-metade.

Têm vindo a público notícias que dão conta de homens e mulheres que morrem por ataque cardíaco ou paragem dos órgãos vitais pouco tempo do cônjuge falecer. Recentemente, na Califórnia, um homem de 90 anos morreu quatro horas depois da mulher, de 87. No Ohio, outro casal faleceu com diferença de 15 horas.

Num estudo realizado pelo jornal «JAMA Internal Medicine», citado pela cadeia de notícias BBC, um dos autores explica o que pode estar por detrás do fenómeno. «É frequente usarmos o termo "coração partido" para nos referirmos à dor causada pela perda da cara-metade e o nosso estudo mostra que o luto pode estar diretamente relacionado com a saúde do coração», disse Sunil Shah, da Universidade de Londres.

Os autores do estudo concluíram que o número de pessoas que sofrem ataques cardíacos no primeiro mês de luto é o dobro daqueles que pertenciam ao grupo de controlo e que não estavam em processo de luto.

O termo científico para «coração partido» é cardiomiopatia. De acordo com a Fundação Britânica do Coração, citada pela mesma fonte, esta é uma «condição temporária onde o músculo cardíaco é enfraquecido de repente. O ventrículo esquerdo, uma das cavidades do coração, muda de forma».

Os especialistas sublinham que estes sintomas são diferentes do ataque cardíaco comum.