O Governo do Níger decretou, a partir desta sexta-feira, três dias de luto no país pela morte, no início do mês passado, no deserto do Saara, de 92 migrantes do Níger, que pretendiam ir para a Argélia.

«Profundamente comovido» pelo drama dos migrantes, que vitimou 52 crianças, 33 mulheres e sete homens, o Governo apresentou «condolências às famílias enlutadas» e pediu «à população para rezar pela memória dos desaparecidos», de acordo com um comunicado publicado no diário oficial «Sahel».

As bandeiras vão ficar a meia haste em todo o território do Níger em homenagem às vítimas, «todas nigerinas», da catástrofe, acrescenta o comunicado.