O Presidente da Rússia, Dmitri Medvedev reconheceu este domingo que o número de desempregados no país atinge os seis milhões, considerando que a situação é «complicada», mas está «sob controlo», informa a Lusa.

«A situação com o desemprego é complicada, mas está sob controlo. Embora, nos últimos tempos, os números tenham crescido consideravelmente», declarou Medvedev, numa entrevista ao primeiro canal da televisão russa.

O dirigente russo assinalou que o número de desempregados registados é de dois milhões, mas acrescentou: «se falarmos de desemprego de facto, ou seja, das pessoas que procuram trabalho, mas não se inscreveram no centro de emprego, mais as pessoas que já estão aí inscritas...teremos cerca de seis milhões».

«Este número foi revelado pela primeira vez agora, mas não constitui segredo. Trata-se precisamente de um motivo para realizar os mais diferentes programas, que, realmente falando, já estão agora a ser realizados», acrescentou.

Nikolai Volguin, presidente da Assembleia Nacional de Peritos no campo do Trabalho e Segurança Social, estimou que, até ao fim do ano corrente, o número de desempregados na Rússia poderá subir para mais de dez milhões, sendo a população activa russa de cerca de 76 milhões.

Dmitri Medvedev, porém, garantiu que não permitirá que o seu país passe por crises como as dos anos 1980 e 1990, tendo a primeira levado ao fim da União Soviética e a segunda à falência financeira da Rússia.