Equipas de resgate encontraram 25 cadáveres sob toneladas de escombros e rochas na sequência de um deslizamento de terras no sábado, na província de Sichuan, no sudoeste da China, numa altura em que 93 pessoas permanecem desaparecidas.

Cerca de 3.000 operacionais usavam aparelhos de deteção e cães para procurar sinais de vida numa área que antes tinha 62 casas e um hotel, informou a agência chinesa Xinhua.

A aldeia isolada de Xinmo foi atingida na madrugada de sábado (noite de sexta-feira em Lisboa) pela derrocada de parte de uma montanha localizada naquela província que faz fronteira com o Tibete. 

As identidades dos 93 desaparecidos no incidente vão ser tornadas públicas em breve, disse um responsável governamental à Xinhua. 

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, já manifestou a sua tristeza pela perda de vidas humanas e devastação causada pelo deslizamento de terras. Também o papa recordou as vítimas.

Manifesto a minha proximidade à povoação da aldeia chinesa de Xinmo, golpeada ontem [sábado] de manhã por um deslocamento de terras causado por fortes chuvas”, disse o papa Francisco aos fiéis concentrados na praça de São Pedro, no Vaticano, para a tradicional reza do Angelus.

“Rezo pelos mortos, pelos feridos e por quantos perderam a casa. Que Deus reconforte as famílias e apoie as corporações de resgate”, acrescentou o chefe da igreja católica.

A televisão pública chinesa CCTV transmitiu ao longo do dia de sábado em direto os trabalhos de resgate que envolvem civis, polícias, militares, bombeiros e socorristas.

Nesta época do ano são frequentes as chuvas torrenciais na China e é comum a ocorrência de inundações, derrocadas e outras catástrofes motivadas por fenómenos meteorológicos.

Nas províncias de Hunan e Hubei, no centro da China, as inundações provocadas pelas chuvas registadas nos últimos dois dias afetaram cerca de 466.500 pessoas e causaram pelo menos dois mortos, informou a agência noticiosa estatal Xinhua. Meia centena de casas ruiu e mais de 9.000 pessoas tiveram de ser retiradas.