As 12 crianças e o treinador de futebol encontrados vivos após nove dias presos numa gruta no norte da Tailândia vão receber quatro meses de mantimentos e aulas mergulho, informou hoje o exército.

Vamos enviar comida extra para pelo menos quatro meses e treinar os 13 [membros do grupo] para mergulhar, enquanto continuam a evacuar a água" da complexa rede subterrânea, disse o capitão Anand Surawan, da marinha tailandesa, citado pelas forças armadas.

A equipa de socorristas está a tentar iniciar a retirada das 12 crianças e do seu treinador de futebol, presos há mais de uma semana numa gruta na Tailândia, e que foram encontrados na segunda-feira com vida.

Mas as hipóteses de retirar as crianças e o treinador são poucas: ou as equipas de resgate encontram uma saída pela caverna da gruta ou ensinam as crianças a fazer mergulho ou esperam até ao fim da época das monções que acontece em outubro.

Segundo o capitão Akanand Surawan, ensinar os rapazes a fazer mergulho é a opção mais arriscada e que as autoridades querem evitar, uma vez que não se sabe se as crianças sabem nadar, o que pode complicar a operação. Uma opinião partilhada por Bill Whitehouse, vice-presidente do Conselho Britânico de Resgate de Cavernas.

"Apesar do nível das águas ter descido, as condições de mergulho continuam difíceis e qualquer tentativa de fazer os rapazes e o treinador mergulharem não será tomada de ânimo leve porque isso representa desafios técnicos e riscos consideráveis", afirmou.

Perante este cenário, as autoridades vão agora tentar esvaziar e ventilar a caverna para que os 13 possam ser resgatados sãos e salvos. Até porque apesar de ter sido encontrada uma entrada no topo da montanha, ainda não se sabe onde é que a abertura com 1,5 metros de diâmetro vai dar e se os rapazes podem sair por ali.

Os rapazes, de 11 a 16 anos, e o seu técnico entraram na caverna Tham Luang Nang Non depois de uma partida de futebol no dia 23 de junho, mas chuvas quase constantes desde então impediram as operações de resgate.

As autoridades já tinham expressado, durante as operações de resgate, a esperança de que o grupo tivesse encontrado um local seco dentro da caverna e que continuassem vivos.

Várias centenas de socorristas, incluindo soldados norte-americanos e mergulhadores britânicos, participaram nas operações de busca e resgate dos jovens de uma das maiores grutas da Tailândia, na província de Chiang Rai.