Uma mulher de 36 anos foi deixada à porta de um consultório médico, a 100 quilómetros de Nova Iorque. Quando o marido a foi buscar, ela não apareceu. Este é o mote para um mistério resolvido (pelo menos em parte) esta semana pela polícia: Flora Stevens, atualmente com 78 anos, foi encontrada num lar depois de estar desaparecida durante 42 anos.

A idosa, que atualmente sofre de demência, foi encontrada em Massachusetts pelos polícias que procuravam um familiar. Segundo o xerife, a mulher estava a usar o apelido Harris quando foi encontrada, perto de Boston.

A polícia procurava alguém com parentesco com Flora depois de ter encontrado restos mortais que pensou serem os da mulher desaparecida. Na tentativa de confirmar que o cadáver encontrado era o de Flora, acabaram por descobrir que o seu número de segurança social estava a ser usado num lar.

Ao chegar ao local, deparam-se com uma mulher idosa que veio a confirmar-se ser na realidade Flora Stevens. A mulher, que à época trabalhava num resort nas Montanhas Catskill, em Nova Iorque, reconheceu-se numa fotografia, mas até agora nada mais se sabe sobre o que aconteceu na vida de Flora desde que desapareceu. 

As autoridades já admitiram que o mais provável é que pouco mais, ou mesmo nada, venha a ser revelado. O estado de saúde de demência da mulher não lhe permite relatar o que aconteceu depois do marido a ter deixado à porta do consultório, em Agosto de 1975.

“Não é todos os dias que conseguimos resolver um caso de uma pessoa desaparecida há 42 anos”, adiantou o xerife Mike Schiff. “O importante é que ela está bem”, ressalvou, lembrando que de tempos a tempos a polícia revisitou o caso.

O marido de Flora morreu em 1985 e ao que sabe não existem mais familiares vivos.

A polícia conseguiu apurar que antes de ser encontrada, a mulher viveu em lares desde 2001, mas antes disso, tudo o que aconteceu é um mistério e assim deverá permanecer.