Pelos decotes e pelas minissaias marchar, marchar. Podia ser o lema das deputadas brasileiras que na quarta-feira vão participar numa manifestação contra uma proposta de lei que vai ser levada à Câmara dos Deputados.

Diz a proposta que toda a senhora que quiser entrar no Parlamento brasileiro não pode fazê-lo se envergar um decote ou se estiver de minissaia.

A proposta cuja autora é uma mulher, a deputada Cristiane Brasil, acrescenta que a entrada no Parlamento deve ser vedada a quem vista “peças excessivamente decotadas, tanto na frente como nas costas” e que “jeans desfiados, estilizados, muito justos ou com cintura baixa” também não são permitidos.

De acordo com a proposta, as mulheres só pode entrar no parlamento se estiverem de vestido ou saia com blazer ou de fato completo. Tudo a bem do decoro no interior do Parlamento, o que levou uma das deputadas anti proposta, Jô Moraes, a afirmar num artigo de opinião que “em nome do decoro de vestimenta passa-se a impedir a entrada do povo na Casa do Povo”.

A ideia aceite pelo primeiro secretário da Câmara dos Deputados, Beto Mansur, levou à revolta de deputadas e funcionárias do parlamento.

Para quarta-feira já está marcada uma manifestação a favor do decote e da minissaia no parlamento. A organização escolheu o lema “Cuide do seu decoro, que eu cuido do meu decote”.