A Marinha de Itália anunciou que, nas últimas 24 horas, resgatou 1524 imigrantes em cinco operações no Mediterrâneo, avança o El Mundo.

Na sexta-feira, a marinha não conseguiu chegar a tempo para resgatar 10 pessoas, entre elas sete mulheres, que morreram quando a lancha onde seguiam se afundou a cerca de 75 quilómetros a norte da costa da Líbia.

Já no sábado, foram retirados das águas 39 sobreviventes, que desembarcaram esta terça-feira em Palermo, na Sicília, juntamente com outras 767 pessoas que foram intercetadas noutras operações de resgate.

Espanha deporta imigrantes

Ao contrário de Itália, Espanha fretou 148 voos de repatriação para deportar 3111 imigrantes, a sua maioria de Marrocos, segundo o relatório anual do Mecanismo Nacional de Prevenção de Tortura (MPN).

No total, o país participou em 18 voos conjuntos organizados por vários países que deportou 445 pessoas para destinos como Lagos (Nigéria), Islamabad (Paquistão), Tirana (Albânia), Tífis (Geórgia), Quito (Equador), Bogotá (Colômbia) ou Kiev (Ucrânia). Depois, fretou mais 15 voos internacionais que levaram 648 imigrantes para a Nigéria, Senegal, Gana, Mauritânia, Colômbia, Equador e República Dominicana em datas diferentes de 2013.

No entanto, o maior grupo de voos foi organizado pelo Ministério do Interior para deportar imigrantes de Marrocos via Ceuta: 89 voos levaram 1807 imigrantes.