Uma sobrinha do ex-líder chinês Deng Xiaoping, o "arquiteto-chefe das reformas económicas" que abriram a China à economia de mercado, está associada ao escândalo "Papéis de Panamá", avança esta terça-feira um jornal de Hong Kong.

Segundo o South China Morning Post, que teve acesso a documentos da investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ, na sigla inglesa) sobre empresas 'offshore', a lista inclui também um neto de Jia Qinglin, alto quadro do regime comunista chinês ao longo da década passada.

Os escritórios na China da Mossack Fonseca criaram 16.300 empresas de fachada, ou 29% do total das empresas criadas pela firma de advogados panamiana no centro do escândalo.