A ministra da Cultura britânica, Maria Miller, demitiu-se depois muita polémica em torno de despesas excessivas que teria feito para uso próprio. A demissão de Miller era exigida há uma semana por vários setores, mas o primeiro-ministro David Cameron sempre evitou publicamente dar relevância ao assunto.

Foi a própria ministra quem anunciou a saída nesta quarta-feira. «Tornou-se claro que a situação atual se tornou numa distração do trabalho vital que este governo está a fazer», disse Miller na sua carta de resignação.

O caso que envolveu Miller despertou semelhanças com o escândalo que há cinco anos envolveu o Parlamento britânico, com revelações de uso abusivo das ajudas de custo pelos deputados. A revelação pelo «Daily Telegraph» de que Miller gastou 90 mil libras dos contribuintes pelo empréstimo de uma casa onde viviam os seus pais desencadeou uma investigação parlamentar. Apesar de não ter questionado a compra da casa, a investigação acabou por considerar que Miller tinha feito gastos excessivos e devia devolver cerca de sete mil euros.

Perante a demissão de Miller, que os analistas britânicos veem como um enorme alívio para Cameron, o primeiro-ministro nomeou para o seu lugar Sajid Javid, até agora secretário de Estado no Ministério das Finanças. No lugar de Javid, um político em ascensão entre os conservadores britânicos, ficará Nicky Morgan.