Os  estudantes também fizeram saber que vão passar mais uma noite na rua, numa nova jornada de luta pelo sufrágio universal e democracia plena e na expectativa da reunião com a número dois do governo acontecer «o mais breve possível».

Recorde-se que os dirigentes estudantis que lideram as manifestações pró-democracia, que ocupam áreas do centro de Hong kong desde o fim de semana, exigiram a renúncia de Leung Chun-ying até à meia-noite de hoje (17:00 horas em Lisboa), ameaçando intensificar as ações de protesto e invadir edifícios governamentais caso isso não acontecesse.