O grupo extremista do Estado Islâmico (EI) matou, no sábado, 280 civis apoiantes do Governo sírio em Deir Ezzor, uma cidade do leste do país, revelou a agência oficial da Síria (SANA), citando fontes oficiais.

Segundo a SANA, os "terroristas executaram 280 pessoas, incluindo várias dezenas de crianças e mulheres", na zona de Al-Baghaliyeh, naquilo a que as fontes citadas pela SNA classificam como uma "atrocidade repugnante".

Já a organização não-governamental Observatório Sírio dos Direitos Humanos revelou que os jihadistas do EI mataram na mesma zona pelo menos 135 pessoas, incluindo 50 elementos das forças armadas e milícias pró-governo e 85 civis, familiares de combatentes leais ao regime do Presidente Bashar al-Assad.

O diretor do Observatório, Rami Abdel Rahmane, disse à agência de notícias francesa AFP, que a organização terrorista sequestrou ainda 400 civis após o ataque a Deir Ezzor, que foram levados do bairro de Al-Baghaliyeh e outros próximos para as regiões controladas pelo EI.

Entre os sequestrados “incluem-se mulheres, crianças, famílias e combatentes pró-regime", disse o responsável da ONG.