O Estado Islâmico terá decapitado quatro crianças por se recusarem a converter ao Islão. A acusação é feita por Andrew White, um padre anglicano britânico, que estava em Bagdad, no Iraque.
 
Andrew White diz que os homicídios aconteceram num enclave cristão, perto da capital iraquiana, que foi tomado entretanto pelo Estado Islâmico, adianta o jornal britânico «The Independent».
 
De acordo com o sacerdote britânico, elementos do Estado Islâmico chegaram ao povoado e ameaçaram: «Ou vocês dizem as palavras de conversão ao Islão ou matamos os vossos filhos».
 
White diz que as crianças degoladas, todas com menos de 15 anos, se recusaram a proferir as palavras de conversão.
 
O sacerdote diz que o Estado Islâmico ameaça matá-lo e que, por isso, está agora a viver em Israel, seguindo ordens do arcebispo de Canterbury. Em entrevista ao «The Independent», Andrew White afirma, contudo, que a maior parte da sua equipa ainda está no Norte do Iraque a dar assistência a cristãos deslocados.
 

Campo de treinos para crianças em Damasco

 
De Damasco, na Síria, chegam imagens de um campo de treino para crianças do Estado Islâmico. Um relatório fotográfico distribuído pelas redes sociais e divulgado pelo SITE, mostra crianças (a maioria de cara tapada) a receberem treino militar e religioso.
 
As crianças aparecem nas fotografias de armas na mão e a receberem instruções de um adulto.