Uma atriz brasileira, Deborah Secco, foi condenada a devolver mais de 158 mil reais (52 mil euros) aos cofres públicos, por desvio de verbas, enriquecimento ilícito e desonestidade administrativa.

Segundo informações da Globo, também a mãe, irmão e irmã da atriz, todos da produtora Luz Produções Artísticas Lda. também estiveram envolvidos e terão de restituir mais de 446 mil reais (mais de 147 mil euros).

A decisão suspende ainda os direitos políticos de todos os envolvidos, obriga a uma multa de 5 mil reais (mais de 1.600 euros), e proíbe a receção de incentivos fiscais.

O inquérito aberto por uma representação do sindicado dos enfermeiros, que questionava a contratação de profissionais da Fundação Escola do Serviço Público (FESP), identificou um esquema de fraude onde sete órgãos governamentais contratavam aquela empresa para execução de projetos.

Como a FESP não conseguia responder a alguns serviços, eram contratadas quatro Organizações não-governamentais (ONG) cujos interesses eram representados pelo pai da atriz.

Para a conta da atriz terão entrado dois cheques, um de montante de mais de 23 mil euros, outro de quase 27. Na conta dos irmãos um conjunto de mais de 93 mil euros, na da produtora, cerca de 53 mil euros e na dos dois pais quase 150 mil euros.

O advogado da atriz admite recorrer da decisão.