O debate geral anual da 72.ª Assembleia-Geral da ONU começa esta terça-feira na sede da organização, em Nova Iorque, com o discurso do Presidente brasileiro, Michel Temer, e que marca a estreia de António Guterres como secretário-geral na assembleia magna da instituição.

Na abertura dos trabalhos, o secretário-geral das Nações Unidas, o português António Guterres, irá apresentar um relatório de atividades, o primeiro do seu mandado depois de ter tomado posse, em janeiro deste ano.

Cumprindo a tradição que reserva ao chefe de Estado do Brasil honras de abertura dos discursos no órgão multilateral, Michel Temer aproveitará a oportunidade para falar da recuperação económica do seu país, que nos últimos meses mostrou sinais positivos, de crescimento, e para sublinhar que tal só foi possível graças às reformas liberais que impôs, com a oposição dos sindicatos e partidos de esquerda.

Por sua vez, Donald Trump não poderá deixar de falar de questões tão prementes como a sobrevivência do acordo nuclear com o Irão e a situação de alta tensão com a Coreia do Norte, bem como da crise na Venezuela, em relação à qual não descartou a hipótese de uma intervenção militar.

Outro dos temas do seu discurso prender-se-á com a melhor forma de gerir as operações de paz da ONU no mundo, uma questão que o levou na segunda-feira a instar quase 130 países a assinarem uma declaração política visando uma reforma da Organização das Nações Unidas cuja ação, na sua opinião, é há vários anos dificultada pela sua “burocracia”.

Na quarta-feira, às 11:30 locais (16:30 em Lisboa), será a vez de o primeiro-ministro português, António Costa, se estrear como orador no debate geral.

Subordinado ao tema “Concentrando-nos nas Pessoas – Lutar pela Paz e por uma Vida Decente para Todos num Planeta Sustentável”, o debate geral decorrerá até 25 de setembro, nesta 72.ª sessão da Assembleia-Geral presidida por Miroslav Lajčák, ministro dos Negócios Estrangeiros e Assuntos Europeus da Eslováquia.

Imediatamente antes da abertura do debate geral, às 09:00 locais (14:00 em Lisboa), caberá ao secretário-geral da ONU, António Guterres, apresentar o seu relatório anual, apesar de ainda não ocupar o cargo há um ano.

 

A estreia de António Costa

O primeiro-ministro, António Costa, está presente na sessão de abertura da 72.ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, onde terá na quarta-feira um discurso em defesa do desenvolvimento sustentável e do combate global às alterações climáticas.

Logo ao início da manhã, António Costa, que chegou a Nova Iorque na segunda-feira acompanhado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, irá participar numa receção oferecida pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

Depois, pelas 09:00 locais (mais cinco horas em Lisboa), o primeiro-ministro estará presente na sessão de abertura da 72.ª Assembleia Geral das Nações Unidas, e participará, depois, num almoço oferecido por António Guterres a todos os chefes de Estado e de Governo presentes.

Na agenda de hoje do primeiro-ministro, além de vários encontros bilaterais ainda não confirmados oficialmente, está igualmente uma reunião à tarde entre os chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) presentes em Nova Iorque.

Fonte diplomática disse à agência Lusa que já confirmaram presença nesta reunião, também centrada nas questões do ambiente e dos oceanos, os presidentes do Brasil (Michel Temer), de Timor-Leste (Francisco Guterres Lu-Olo), da Guiné-Bissau (José Mário Vaz) e de São Tomé e Príncipe (Evaristo Carvalho), assim como o primeiro-ministro e de Cabo Verde (Ulisses Correia e Silva).

De acordo com a mesma fonte, Angola e Moçambique deverão fazer-se representar na reunião pelos embaixadores dos respetivos países nas Nações Unidas.

Após este encontro ao nível da CPLP, já ao fim da tarde, António Costa poderá participar numa receção que será oferecida pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a chefes de Estado e de Governo presentes em Nova Iorque.