O primeiro-ministro britânico e a chanceler alemã discutiram esta quarta-feira as prioridades da próxima reunião do Grupo das sete principais economias (G-7), no que consideram ter sido «um dia trágico» devido ao atentado terrorista em Paris.

David Cameron e Ângela Merkel, em conferência de imprensa conjunta, informaram que já tinham enviado as suas condolências ao presidente francês, François Hollande, depois do ataque ao semanário satírico Charlie Hebdo, que causou 12 mortos.

«Ângela e eu já falámos com François Hollande e oferecemos-lhe todo o nosso apoio e qualquer ajuda que os nossos serviços de informações possam proporcionar neste momento crucial», disse Cameron.

«Estamos unidos com os franceses contra o terrorismo e esta ameaça aos nossos valores, à liberdade de expressão, ao império da lei e da democracia», sublinhou o chefe do governo britânico, acrescentando que é decisivo defendê-los «hoje e em cada dia».

Merkel sustentou que hoje foi «um dia verdadeiramente trágico», mas demonstrou que os países europeus têm «valores firmes repartidos e uma base sólida» em que se apoiar.

A chanceler recordou a «comovedora» conversa com Hollande e reiterou a disposição em ajudá-lo no que for possível.

«Neste momento desesperado, estamos com o povo francês e defendemos a liberdade de expressão com a mesma determinação que fazemos com outras liberdades básicas que consideramos importantes nos nossos países», declarou.

Cameron informou ainda que, durante a reunião no número 10 de Downing Street, a sua residência oficial, acordou com a chanceler objetivos para a próxima cimeira do G7 (grupo de países más industrializados), entre os quais aprofundar o tratado de comércio livre entre a União Europeia e os EUA e reforçar a luta contra a evasão fiscal.