David Cameron diz que deixará de ser primeiro-ministro britânico se não conseguir cumprir a sua promessa eleitoral de realizar em 2017 um referendo para decidir se o Reino Unido sai ou não da União Europeia.

Numa conversa com apoiantes dos Conservadores, Cameron garantiu que não vai abdicar dessa intenção, falando numa «promessa clara» de que não continuará no cargo depois das próximas eleições, marcadas para 2015, se o referendo não for confirmado.

Cameron deixa assim claro que esta será uma questão crucial em qualquer negociação para formar governo, se as eleições voltarem a ditar uma vitória minoritária.

Os Trabalhistas e os Liberais Democratas têm-se oposto à ideia de um referendo que pode ditar a ruptura do Reino Unido com a UE, a não ser que sejam transferidos mais poderes para a Europa.