O primeiro-ministro britânico, David Cameron, prometeu hoje usar «todos os recursos» ao seu alcance para perseguir e castigar os executores do trabalhador humanitário britânico Alan Henning, supostamente decapitado pelo grupo Estado Islâmico (EI).

Cameron qualificou como um ato «sem sentido» e «imperdoável» a execução de Alan Henning, um taxista oriundo de Salford (norte de Inglaterra), no final de uma reunião que manteve com membros das forças de segurança britânicas em Chequers, residência oficial de campo do primeiro-ministro britânico.

«O assassinato de Alan Henning é absolutamente abominável», disse o chefe do executivo britânico, depois de analisar a situação com representantes dos serviços secretos, Forças Armadas e dos ministérios do Interior e dos Negócios Estrangeiros.