A Justiça do Rio de Janeiro decretou esta segunda-feira prisão preventiva para o filho do cineasta brasileiro Eduardo Coutinho, encontrado morto no domingo no seu apartamento.

Daniel de Oliveira Coutinho, diagnosticado com esquizofrenia, foi detido no domingo logo após ter confessado, junto de vizinhos, ter agredido o pai e a mãe com golpes de faca.

O suspeito, 41 anos, tentou matar-se após o crime e foi encaminhado, já sob a custódia da polícia, para o hospital onde permaneceu em tratamento, não correndo perigo de vida.

No pedido de hoje, a juíza responsável pelo caso observou que a prisão preventiva é necessária para a «garantia da ordem pública, da futura aplicação da Lei Penal e das investigações».

O corpo de Eduardo Coutinho, autor de documentários reconhecidos no Brasil como "Edifício Master", «Babilônia 2000» e «Peões», é sepultado esta segunda no cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro.

A sua mulher, Maria das Dores Oliveira, que também foi esfaqueada, encontrava-se hoje internada, em estado grave, como escreve a Lusa.