A Cruz Vermelha Internacional conseguiu autorização para aterrar dois aviões na capital iemenita, Sanaa, de modo a prestar ajuda humanitária à população.

Um dos aviões leva medicamentos e material hospitalar, o outro uma equipa de voluntários para prestar cuidados médicos à população. Um acordo conseguido após negociações com a Arábia Saudita. Mas, a organização não conseguiu ainda autorização para proceder a uma operação idêntica em Aden, cidade portuária onde os combates têm sido mais intensos.

A Cruz Vermelha alerta para a situação dramática que vivem os civis naquela cidade, onde «as pessoas não podem sair de casa para comprar comida e os «reservatórios de água foram danificados», como explicou à BBC.

O país está debaixo de fogo de uma coligação de países árabes liderada pela Arábia Saudita, depois do presidente Hadi ter sido obrigado a fugir do país face ao avanço dos rebeldes que chegaram a tomar de assalto o palácio presidencial.

Os ataques aéreos a alvos dos rebeldes hutis já duram há 12 noites.

As Nações Unidas informaram que mais de meio milhar de pessoas já perderam a vida no Iémen nas últimas duas semanas.