O ex-comandante do grupo armado Conselho Croata de Defesa foi hoje acusado na Bósnia de crimes de guerra contra civis muçulmanos alegadamente cometidos entre 1993 e 1994 na zona de Mostar, no sul da Bósnia-Herzegovina.

Zlatan Jelic está acusado dos crimes de limpeza étnica, expulsões forçadas, detenções ilegais em campos de prisioneiros, torturas e ações similares durante ataques sistemáticos contra a população muçulmana, informou hoje, em comunicado, a Procuradoria-Geral bósnia.

Os crimes foram cometidos, segundo a acusação, entre maio de 1993 e março de 1994, durante o conflito entre o exército governamental bósnio, maioritariamente muçulmano, e o Conselho Croata de Defesa.