A empresa americana Coca-Cola suspendeu a produção do refrigerante na Venezuela, por causa da falta de açúcar no país.

A multinacional não prevê quando é que a produção retomará os níveis normais. De acordo com o jornal espanhol El País, a crise na Vanezuela tem afetado a importação de produtos básicos e necessários ao fabrico de bebidas e alimentos. 

Na última semana, a empresa estatal Venezuelana que é responsável pelo processamento do açúcar anunciou que a produção estaria temporariamente cortada.

A multinacional Coca-Cola segue os passos da Empresas Polar, que, no último mês, cessou a produção de cerveja por causa da falta de matérias-primas necessárias ao fabrico da bebida.

A Coca-Cola FEMSA, a maior empresa engarrafadora do mundo, disse em comunicado que "90% da produção" do refrigerante precisa de açúcar e, por isso, não existe outra escolha a não ser a suspensão das operações. No entanto, a multinacional não tenciona abandonar o país. 

A Venezuela está à procura de outras fontes alternativas para obter o açúcar refinado. As bebidas que não necessitem do componente vão continuar a ser produzidas normalmente.

As multinacionais PepsiCo, General Motors e Ford Motor, que comercializam no país, estão também a ser afetadas pela desvalorização contínua da moeda venezuelana.