O Presidente moçambicano, Armando Guebuza, manifestou na quarta-feira a sua confiança na polícia do país, apesar da violenta onda de raptos que assola o país, sobretudo a sua capital, Maputo.

Alguns dos crimes têm sido cometidos, alegadamente com conivência policial, como no caso de três polícias condenados na segunda-feira a 16 anos de cadeia, por integrarem uma rede de sequestradores.

Um dos condenados era membro da Guarda Presidencial, a unidade policial de elite responsável pela segurança do Presidente da República.