Atualizado às 19:51

A Rússia deteve 25 ucranianos, escreve a Reuters que cita a agência de notícias russas RIA. Os serviços de segurança russos alegam que os detidos estavam a preparar ataques terroristas.

Segundo o comunicado oficial das forças de segurança russas, divulgado, esta quinta-feira, os detidos são membros de um movimento ultra-nacionalista e estavam a planear ataques que deveriam ter acontecido março, no sul e centro da Rússia.

As forças de segurança da Ucrânia já responderam e consideram as acusações de «terrorismo não fazem qualquer sentido».

No entanto, recorde-se que as autoridades ucranianas responsabilizam, hoje, o Presidente deposto Viktor Yanukovich por mais de uma centena de mortes no centro de Kiev, em fevereiro. Dizem também que o Governo da altura foi auxiliado pelos serviços secretos russos.

Na mesma altura, foi anunciada ainda a detenção de doze elementos da Berkut, a unidade especial da polícia ucraniana que esteve presente nos confrontos. São todos suspeitos de terem disparado contra manifestantes durante os protestos contra o Presidente.

A investigação do atual executivo ucraniano revela também que elementos russos, não identificados, estiveram na sede dos serviços secretos ucranianos durante os três meses de protestos anti-governamentais e que, no dia 20 de fevereiro, aterraram num aeródromo perto de Kiev aviões com armas e mais de cinco toneladas de explosivos de fabrico russo.