Duas adolescentes que espancaram uma mulher até à morte, em Inglaterra, e depois pediram uma boleia à polícia foram condenadas, esta quinta-feira, a prisão perpétua.

As duas raparigas, que tinham 13 e 14 anos na altura do ataque, foram acusadas, na terça-feira, de usarem várias armas, incluindo um bastão de madeira com parafusos, uma mesa de café e uma televisão para cometerem o crime, na casa da vítima, em dezembro de 2014.

A vítima, Angela Wrightson, com 39 anos, teria uma relação de amizade com as jovens, que frequentavam a sua casa com regularidade. Segundo o jornal britânico The Guardian, a mulher era uma pessoa vulnerável e costumava comprar álcool e guloseimas, numa loja local, para as duas adolescentes.

O corpo da britânica foi encontrado com mais de cem ferimentos no corpo, coberta de sangue, na sala da sua casa, situada na cidade industrial de Hartlepool, cidade portuária do condado de Durham, em Inglaterra, a 8 de dezembro de 2014.

As adolescentes, agora com 15 anos, declararam-se inocentes. Mas as provas deram certezas ao tribunal.

Na noite do crime, as jovens publicaram vídeos e fotografias nas redes sociais onde se veem e ouvem palavras de incentivo para continuarem a bater na mulher. Ainda nessa noite, segundo The Guardian, existe o testemunho de um amigo das jovens que afirma tê-las visto com sangue na roupa. Quando saíram da casa de Angela Wrightson, as jovens chamaram a polícia para as levar para casa alegando estarem perdidas. As adolescentes estavam sinalizadas como problemáticas e viviam em instituições de acolhimento temporário.

A família da vítima sente-se satisfeita com o veredito. "Angie foi atacada e brutalmente assassinada em casa, um lugar onde todos nós temos o direito de nos sentirmos seguros. Ouvindo os detalhes de seus ferimentos e de seus momentos finais, terá sido uma experiência angustiante e algo que continuará a assombrar-nos a cada dia”, disse a família ao jornal britânico.

Nenhuma pena, independentemente da sua gravidade, nunca vai trazer Angie de volta. As duas meninas responsáveis serão um dia mulheres livres para viver as suas vidas e, talvez, ter seus próprios filhos. Um direito que foi roubado à Angie”.

As duas adolescentes sentenciadas a pena de prisão perpétua terão de cumprir pelo menos 15 anos na cadeia.