Benoît Violier dirigia um restaurante em Crissier, perto de Lausanne, onde trabalhava desde os anos 1990 e que foi distinguido com três estrelas Michelin. Em dezembro de 2015, o espaço tinha sido galardoado como o melhor restaurante do mundo pelo guia francês "La Liste", uma tabela com os mil melhores restaurantes do mundo.

Benoît Violier, juntamente com a mulher, tomou conta do restaurante em 2012, sucedendo a Philippe Rochat, que considerava um segundo pai e que morreu no Verão passado.

"Benoît Violier dizia em muitas entrevistas que tinha perdido os dois pais em 2015, o verdadeiro pai em abril e o mentor, Philippe Rochat", afirma a publicação "Le Temps".

Filho de um vitivinicultor, Benoît Violier foi considerado o cozinheiro do ano em 2013 na Suíça, tendo pedido nacionalidade nesse país em 2014.

A forma inesperada como aconteceu a morte de Benoit Violier chocou a comunidade culinária mundial, e já mereceu a reação da parte de várias personalidades.  

O Guia Michelin, que esta segunda-feira lança o guia de restaurantes premiados para 2016, comentou a morte do chef, através da conta no Twitter: "Estamos chocados com a morte de Benoît Violier, um chef com imenso talento. A sua família e equipa estão no nosso pensamento."

 

Outros chefs famosos, franceses, reagiram à notícia. Marc Veyrat disse ter ficado "à deriva" com a notícia da morte de Violier e Pierre Gagnaire, foi dos primeiros a prestar a homenagem através do Twitter: “Os meus pensamentos estão com a família de Benoit Violier. Uma notícia muito triste sobre um chef extremamente talentoso…”

 

O também francês Jean François Piège utilizou também o Twitter para relembrar Violier:  “Um chef imenso, uma tristeza imensa, os pensamentos vão para a sua família e equipa."

 

A polícia abriu um inquérito para determinar com exatidão as causas desta morte. As autoridades acreditam que Benoit Violier pôs termo à própria vida.