O capitão do navio Costa Concordia que naufragou em 2012 ao largo de Itália, Francesco Schettino, acusou esta segunda-feira em tribunal o homem do leme, o indonésio Jacob Rusli Bin, de provocar o acidente que matou 32 pessoas.

«Eu queria abrandar o navio, mas o timoneiro não cumpriu as minhas ordens corretamente», disse Schettino num tribunal em Grosseto, onde hoje recomeçou o processo em que é acusado de homicídio por negligência e abandono do navio.

«Ele navegou na direção errada e chocámos», disse, segundo relatos da imprensa italiana, acusando Rusli Bin de ter cometido um erro que provocou um atraso fatal na alteração de rota do navio, escreve a Lusa.