O jornalista e ativista angolano dos direitos humanos Rafael Marques vai receber esta sexta-feira,em Berlim, o prémio «Integrity Award» atribuído pela Transparency International, uma organização que promove o combate à corrupção.

A atribuição da distinção foi justificada pelo «trabalho incansável e corajoso na investigação e denúncia de casos de corrupção em Angola», informou, em comunicado, a Transparência e Integridade, Associação Cívica (TIAC), representante portuguesa da Transparency International.

O vice-presidente da TIAC, Paulo Morais, reagiu com agrado ao anúncio do prémio, para o qual a organização nomeara o ativista angolano. «Rafael Marques é um exemplo de coragem e integridade. Há anos que faz um trabalho persistente e informado de investigação e denúncia da corrupção que mina o desenvolvimento de Angola e condena o povo angolano a uma vida de pobreza e abusos», diz um comunicado, citando Paulo Morais.

Rafael Marques foi preso em 1999 depois de ter denunciado num artigo de jornal casos de corrupção e desvio de fundos no Governo angolano. Desde então, tem prosseguido as suas investigações, trabalhando vários casos de corrupção e violações de direitos humanos no tráfico de diamantes de sangue ou no setor petrolífero, especificou a TIAC, no seu comunicado.

A Transparency International atribuiu um segundo prémio, ao jornalista chinês Luo Changping, «pela sua coragem ao denunciar a corrupção de um alto oficial do governo chinês», que em consequência veio a ser expulso do partido comunista.

«Os dois vencedores deste ano representam tudo aquilo por que o nosso movimento global luta, nos nossos esforços para por um fim aos abusos de poder, negócios escuros e subornos», considerou a presidente da Transparency International, Huguette Labelle.