O alemão que guardava num apartamento em Munique 1400 obras de arte, muitas delas roubadas pelos nazis, morreu nesta terça-feira, aos 81 anos. Estava em estado delicado depois de uma operação ao coração.

Cornelius Gurlitt era filho de Hildebrand Gurlitt, negociante de arte ao serviço de Adolf Hitler, responsável pelo confisco de milhares de obras de arte consideradas «degeneradas».

Em 2012 a polícia alemã confiscou o tesouro de valor incalculável que encontrou no apartamento de Cornelius, com obras de pintores como Picasso, Matisse, Klee ou Chagall.

Há um mês Cornelius Gurlitt chegou a acordo com as autoridades, acedendo a que fossem feitas análises às obras para perceber quais tinham sido roubadas pelos nazis, para que pudessem ser devolvidas. As restantes pretendia mantê-las consigo.