O número de detidos na Coreia do Sul acusados de violarem a «lei anticomunista» apelidada de anacrónica por muitos, aumentou quase 40% em 2013, ano que a conservadora Park Geun-hye subiu ao poder presidencial, revelou hoje a polícia.

Ao longo do ano passado, 22 sul-coreanos foram detidos por diversas atividades que implica a alegada violação da Lei de Segurança nacional promulgada em 1948, referem os dados da Agência Nacional de Polícia, citados pela agência Efe.

Os números representam um aumento de 37,5% face aos 16 cidadãos contra quem foram formuladas acusações em 2012.