Um submarino norte-coreano desapareceu no início desta semana, quando estava em operações ao largo da costa leste da Coreia do Norte, segundo informações publicadas hoje nos Estados Unidos.

O Ministério da Defesa da Coreia do Sul disse à AFP que Seul estava a investigar estas informações.

Responsáveis do Pentágono escusaram-se a comentar o assunto.

Já este sábado, a Coreia do Norte afirmou que pretende retaliar contra os exercícios militares conjuntos dos EUA e Coreia do Sul, e disse que espera “o momento adequado para castigar” os seus alegados agressores, que mantém no seu “campo de tiro”.

Os exercícios militares Key Resolve e Foal Eagle iniciados por Washington e Seul “estão a tornar-se cada vez mais imprudentes cada dia”, afirmou em comunicado da agência estatal de notícias KCNA o estado-maior do Exército Popular da Coreia do Norte (KPA), que disse ter “perdido a paciência exercida durante muito tempo”.

A Coreia do Sul e os Estados Unidos iniciaram na segunda-feira os seus maiores exercícios militares anuais da história, nos quais participaram cerca de 300.000 membros das tropas sul-coreanas e 17.000 soldados norte-americanos.