O líder da Coreia do Norte substituiu as habituais paradas militares por arte e dança nas celebrações anuais do “Dia do Sol”, que marca o aniversário do nascimento a 15 de abril de 1912 do fundador do país, Kim Il-sung.

Fotografias divulgadas pela agência de notícias estatal KCNA não mostraram armas, mas sim um fim de semana de fogos de artifício, dança e desporto.

Num espetáculo de uma companhia chinesa de bailado, na segunda-feira, em Pyongyang, Kim Jong-un e a mulher, Ri Sol Ju, foram vistos a aplaudir, a posar com os bailarinos e a rir com o chefe do departamento de ligação internacional do Partido Comunista Chinês, Song Tao.

De acordo com o South China Morning Post, Kim Jong-un encontrou-se com os artistas “por respeito ao presidente chinês Xi Jinping” e disse querer lançar uma "nova fase de desenvolvimento" das relações entre os dois países.

O jornal chinês refere que o líder norte-coreano tem procurado cultivar, nos últimos meses, uma mensagem de reconciliação, ao fazer a primeira visita à vizinha China e ao anunciar planos para conversações com os líderes da Coreia do Sul e dos EUA.