A organização internacional Human Rights Watch considerou “um importante passo” as novas sanções dos Estados Unidos ao líder da Coreia do Norte.

“São um importante passo em frente na hora de conseguir justiça para as inúmeras vítimas das violações dos direitos humanos na Coreia do Norte”, afirmou Phil Robertson, subdiretor da HRW na Ásia, num comunicado para avaliar as sanções anunciadas na quarta-feira pelo Departamento do Tesouro norte-americano.

As sanções do Departamento do Tesouro norte-americano afetam Kim Jong-un, outros dez funcionários norte-coreanos e cinco entidades do país e resultam no congelamento das propriedades que possam ter dentro da jurisdição norte-americana e a proibição aos cidadãos dos Estados Unidos de se envolverem em transações financeiras com eles.

A Coreia do Sul manifestou esta quinta-feira a sua satisfação pelas sanções dos Estados Unidos contra o líder da Coreia do Norte.

O Governo sul-coreano “enaltece e congratula-se com o anúncio dos Estados Unidos de aplicar sanções aos violadores dos direitos humanos na Coreia do Morte através da legislação de sanações contra o país de 6 de julho de 2016”, escreveu em comunicado o Ministério dos Negócios Estrangeiros sul-coreano.

A medida anunciada na quarta-feira por Washington “demonstra o seu compromisso com o reforço das sanções contra a Coreia do Norte em múltiplas frentes”, acrescentou.