A Coreia do Norte classificou como uma «provocação intolerável» que a Coreia do Sul tenha aceitado abrir no seu território um gabinete das Nações Unidas dedicado a supervisionar as questões de Direitos Humanos no país liderado por Kim Jong-un.

Ao aprovar a abertura do gabinete, a Coreia do Sul cometeu uma «provocação política intolerável» que tem como objetivo «aprofundar o confronto entre os dois países irmãos e concretizar a sua ambição de reunificação pela força», escreve o diário Rodong Sinmun, do partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte.

O jornal acrescenta que a medida «conduzirá à catástrofe as relações entre as duas Coreias e projetará uma sombra de perigo de que estale uma guerra na península coreana».