Calor. Muito calor. Quinta-feira deverá ficar para a história meteorológica de Espanha como o dia em que muitas cidades atingiram os valores mais altos de temperatura.

Córdova, que costuma ombrear com Sevilha nas altas temperaturas de verão, suplantou a maior cidade da Andaluzia e chegou aos 46,9 graus Celsius. Antes, a máxima registada era de 46,6 graus, tal com a registada pelos sevilhanos, a 23 de julho de 1995.

A temperatura registada quarta-feira em Córdova está confirmada e homologada pela meteorologia local. Falta ainda, contudo, verificar a quanto chegou o calor em Montoro, 41 quilómetros acima pelo rio Guadalquivir: aí, os serviços climáticos das Nações Unidas registaram 47,3 graus.

Recordes noutras cidades

Na compilação elaborada pelo jornal El País, com base nos serviços meteorológicos espanhóis, seis cidades do sul do país bateram os seus recordes de calor.

  • No aeroporto de Badajoz, a temperatura atingiu os 45,4 graus suplantando o anterior máximo de 44,8, de 2003;
  • Cáceres atingiu os 44,2º, quando a máxima anterior era de 42,6º, em 2005;
  • Ciudad Real chegou aos 43,7º, acima do máximo anterior de 43,4º;
  • Na base aérea de Granada, a temperatura chegou aos 43,5º, acima dos 42,8º, em 2003;
  • Jaén marcou 44,4º nos termómetros, suplantando a anterior máxima de 40,6º;
  • Teruel chegou aos 40,2º igualando a anterior temperatura máxima que conhecia.

A Agência Estatal de Meteorologia espanhola (Aemet) fez saber que está em curso uma onda de calor "muito intensa" e "pouco habitual".

Caso se mantenha até domingo, com valores da ordem dos 46,9º, será mesmo a maior vaga de calor de que há registo. Segundo comunica a Aemet, sobre este fenómeno em Espanha, de 1976 a junho de 2017, nunca antes se chegou aos 47º.