O primeiro-ministro da Nova Zelândia, John Jey, acusou hoje o maior exportador mundial de produtos lácteos, Fonterra, de ter demorado a soar o alarme sobre os produtos contaminados com um vírus potencialmente fatal.

A Fonterra revelou no sábado que um produto de soro de leite usado para o fabrico de leite de bebé e bebidas desportivas tinha sido contaminado com uma bactéria que pode causar botulismo - forma de intoxicação alimentar rara mas potencialmente fatal -, o que gerou reações imediatas da China, um dos maiores mercados de importação dos produtos lácteos da Nova Zelândia.

John Key disse que estava preocupado com o impacto da reputação da Nova Zelândia como fornecedor de produtos lácteos seguros, particularmente na Ásia, onde o seu leite para bebés tinha atingido o ¿padrão de ouro¿ em termos de qualidade.