Donald Tusk falava numa conferência de imprensa em Bruxelas, depois de Angela Merkel e François Hollande terem negociado em Minsk, na Bielorússia, com o Presidentes da Ucrânia e da Rússia, um acordo de cessar-fogo, com início no domingo.

Reunião de líderes em Minsk (Foto: Reuters)

De acordo com a Reuters, Donald Tusk explicou que o Conselho Europeu, que se reuniu esta quinta-feira em Bruxelas, não discutiu a aplicação de novas sanções à Rússia, mas que a hipótese existe.

 

O presidente do Conselho Europeu mostrou-se satisfeito com o acordo de cessar-fogo no Leste da Ucrânia, mas revelou que se sentia «cauteloso» sobre a situação depois de uma breve reunião em Bruxelas com a chanceler alemã, Angela Merkel, após a chegada de Minsk.

 

«O acordo de Minsk de hoje [quinta-feira] é uma boa notícia e dá esperança. A esperança é boa, mesmo essencial, mas a esperança não é o suficiente», disse Donald Tusk. «O verdadeiro teste é o respeito do cessar-fogo no solo», acrescentou.

 Merkel e Hollande confirmam mais sanções em «stand-by»

 

Angela Merkel confirmou, esta quinta-feira, que a União Europeia pode impor novas sanções à Rússia se o acordo de cessar-fogo, selado na capital da Bielorússia, entre a Ucrânia e os rebeldes apoiados pelos russos, não for totalmente implementado. A chanceler alemã disse, em conferência de imprensa, que os chefes de Estado e de Governo da UE solicitaram à Comissão Europeia que preparasse mais sanções para o caso do cessar-fogo na Ucrânia não ser implementado.

 

«Mantemos a possibilidade em aberto, caso esses novos acordos não sejam implementados, de que temos de tomar novas medidas», disse Merkel, citada pela Reuters. A chanceler alemã acrescentou que «as sanções já existentes só poderão ser levantadas quando as razões que levaram à sua implementação deixarem de existir».

Reunião de líderes em Minsk (Foto: Reuters)

A Reuters noticia que também o Presidente francês apontou, esta quinta-feira, para eventuais novas sanções europeias a Moscovo, se o acordo de cessar-fogo, intermediado pela Alemanha e pela França, não for respeitado no terreno.

 

Se o acordo de Minsk não for implementado «iremos voltar ao procedimento que vocês conhecem... em que serão adicionadas sanções às sanções que já estão em vigor», afirmou Hollande.

Pelo contrário, se o cessar-fogo for plenamente respeitado, as sanções serão progressivamente retiradas, salvaguardou o chefe de Estado francês.

A importância do acordo, que Merkel e Hollande negociaram durante a noite de quarta para quinta-feira, foi ainda sublinhada pelo primeiro-ministro português. Pedro Passos Coelho congratulou-se, esta quinta-feira, em Bruxelas, com o acordo de cessar-fogo alcançado entre Ucrânia e Rússia, com mediação europeia, mas sublinhou que «agora é essencial» a implementação no terreno.