Uma pessoa morreu e pelo menos 50 ficaram feridas durante o confronto que opôs mineiros em greve e a polícia, em Lima, no Peru.

Dezenas de pessoas foram hospitalizadas e quatro delas encontram-se em estado grave. As autoridades afirmaram que a única vítima mortal terá sucumbido aos ferimentos antes de chegar à unidade hospitalar de La Oroya. O homem, de 41 anos, não era natural da região e estaria só de passagem quando foi baleado.

A violência surgiu quando os mineiros bloquearam a estrada principal de acesso à capital.

Segundo o Peruvian Times, as autoridades afirmaram que os polícias estavam munidos de armamento não letal, mas foram identificados alguns manifestantes que carregavam armas.

Os protestantes manifestaram-se para exigir ao governo peruano que adeque os padrões ambientais ao complexo mineiro de La Oroya. A atividade das minas está suspensa desde 2009 por falta de cumprimento de regulamentos ambientais e por dívidas aos credores, entre eles o estado peruano.

Os mineiros garantem que vão continuar com os protestos, exigindo a flexibilização da legislação e a reabertura imediata das minas, que sustentam centenas de famílias.

De acordo com o  mesmo jornal local, se o governo não vender o complexo metalúrgico até ao dia 27 de agosto, a companhia vai entrar em liquidação e muitos dos mineiros acabarão por perder os seus trabalhos. O processo de venda está a ser dificultado pela falta de cumprimento dos regulamentos ecológicos.