O ministro da Defesa e chefe do Exército egípcio, o general Abdel Fatah al Sisi, disse este domingo que as Forças Armadas respeitam a vontade do povo, não querem poder mas advertiu os islamitas que não se vão vergar perante a violência.

«Não vamos ficar impassíveis perante a destruição do país e as ameaças contra a população» disse Al-Sisi, num discurso perante as chefias das forças de segurança no Cairo pela primeira vez desde a operação de desmantelamento dos acampamentos da Irmandade Muçulmana e que fizeram pelo menos 600 mortos desde quarta-feira.

O chefe das Forças Armadas pediu aos apoiantes do presidente deposto Mohamed Morsi para «refletirem» sobre a situação, referindo-se aos que, afirmou, pensam que a violência vai conseguir «ajoelhar» o Estado e os egípcios.