O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, confirmou nesta segunda-feira que os separatistas pró-russos já libertaram mais de 1200 prisioneiros de guerra desde o acordo de cessar-fogo.

Poroshenko revelou que os separatistas pró-russos já libertaram mais de 1200 prisioneiros de guerra ucranianos. Ambos os lados do conflito acordaram trocar entre si prisioneiros russos e ucranianos sob os termos do cessar-fogo assinado na última sexta-feira.

De visita à cidade portuária de Mariupol, leste da Ucrânia, o presidente da Ucrânia mostrou solidariedade com os cidadãos pela perseverança em defender as fronteiras do avanço dos separatistas pró-russos.

«Mariupol é Ucrânia e não desistir desta terra para ninguém», escreveu o presidente na sua conta do «Twitte».





A cidade tem cerca de 500 mil habitantes e Poroshenko disse ter dado ordens ao exército para defender a região. «Dei ordem para garantiram a defesa de Mariupol com lança-rockets [mísseis], tanques e cobertura aérea. O inimigo vai sofrer uma pesada derrota», disse.

O conflito na Ucrânia já tirou a vida a três mil pessoas, se forem incluídas as vítimas do voo MH17, da Malaysia Airlines, segundo afirmou um oficial para os direitos humanos da ONU.