Entretanto, o primeiro-ministro russo, Dmitry Medvedev, ordenou que o gabinete responsável pelos recursos energéticos e a empresa Gazprom cooperassem para fornecer gás às regiões do leste da Ucrânia, sob o controlo dos rebeldes.