A justiça egípcia condenou hoje à morte sete membros do grupo extremista Estado Islâmico (EI) implicados na decapitação de vinte e uma pessoas de religião cristã, na Líbia, em 2015.

Em fevereiro desse ano, o EI divulgou um vídeo mostrando a execução por decapitação, numa praia da Líbia, de vinte e um cristãos. Apenas uma das vítimas não tinha nacionalidade egípcia.

Em retaliação, o Egito bombardeou posições do grupo extremista no país vizinho, que enfrenta uma guerra civil desde 2104.