À distância de um clique, as armas estão ao dispor de qualquer um na Internet. Essa foi a conclusão a que chegou uma investigação do jornal The Guardian, publicada esta quarta-feira.

O jornal comprou três armas no site britânico da Amazon. Um taser, uma soqueira e um gás pimenta. As primeiras armas chegaram dos Estados Unidos e de Israel. O gás pimenta foi despachado diretamente de um armazém do retalhista, no Reino Unido.

O taser vinha descrito, na fatura, como lâmpada LED.

Segundo o jornal, a Lei das Armas, no Reino Unido, proíbe a venda de armas a cidadãos comuns. E quem importe também não sai isento, podendo ser condenado a cinco anos de cadeia.

Estas três armas, adquiridas facilmente pelo jornal, são apenas um exemplo. O The Guardian enumera uma lista de outras armas, destinadas a forças militares ou policiais, que podem ser compradas sem dificuldade no site Amazon.co.uk.

Em comunicado, a Amazon informou que “os produtos já não estão à venda”.

O The Guardian resolveu dedicar-se a esta investigação após um homem ter admitido, num tribunal de Bristol, no Reino Unido, ter comprado dois tasers facilmente, a partir de um site a que acedeu no seu telemóvel, desconhecendo que estas armas eram ilegais. Cada uma delas tinha uma voltagem superior a oito mil volts.

Nathan Matthews, de 28 anos, foi condenado a 33 anos de prisão pela morte da meia-irmã. Becky Watts foi ferida dezenas de vezes até ser estrangulada pelo irmão. Tinha 16 anos.