A nova «Comissão Juncker» já foi designada, mas os comissários europeus terão de passar por alguns testes. As audições do Parlamento Europeu, em Bruxelas, vão decorrer entre 29 de setembro e 7 de outubro. De qualquer modo, só na próxima semana é que será definido o calendário dos «exames», anunciou esta sexta-feira a assembleia.

Carlos Moedas é o comissário português a integrar a equipa. O ex-secretário de Estado ficou com o pelouro da Investigação, Ciência e Inovação. Moedas irá ter uma audição perante a comissão parlamentar de Indústria, Investigação e Energia, presidida pelo polaco Jerzy Buzek, antigo presidente do Parlamento Europeu.

A data concreta do «exame» será conhecida durante a sessão plenária da próxima semana, em Estrasburgo.

Esta comissão parlamentar integra como membro efetivo o eurodeputado Carlos Zorrinho, líder da delegação do PS ao Parlamento Europeu, que, na quarta-feira, por ocasião do anúncio da pasta atribuída ao comissário, disse que Carlos Moedas «poderá contar com os socialistas portugueses para que o seu desempenho seja bom para a Europa e bom para Portugal», mas fazendo votos para que não «replique» em Bruxelas «a política de ciência queimada que o ministro Nuno Crato tem aplicado em Portugal».

Integram ainda a comissão parlamentar, mas como membros suplentes, os eurodeputados João Ferreira, do PCP, e Marisa Matias, do Bloco de Esquerda.

O Parlamento Europeu precisou hoje que as audições aos comissários designados para integrarem a Comissão Europeia liderada por Jean-Claude Juncker irão decorrer na semana de 29 de setembro a 02 de outubro, e ainda na tarde de segunda-feira, 06 de outubro, e manhã de terça-feira, dia 07.

A conferência de presidentes do Parlamento ¿ que reúne os líderes dos grupos políticos ¿ irá reunir-se a 09 de outubro para avaliar as audições, e a 22 de outubro, em Estrasburgo, França, a assembleia irá então pronunciar-se sobre se aceita ou não a Comissão no seu todo (Juncker já foi eleito pelo hemiciclo em julho passado).

Segundo a assembleia, as audições durarão pelo menos três horas, podendo os comissários designados fazer uma declaração de abertura antes de responderem às questões dos eurodeputados.

Concluída a audição, cada comissão parlamentar elaborará uma avaliação, que remeterá ao presidente do Parlamento.

No caso de comissários com responsabilidades horizontais - a «Comissão Juncker» conta com vice-presidentes sem pasta específica, mas responsáveis pela coordenação de vários portfolios -, estes terão de sujeitar-se a mais que uma audição, nas comissões parlamentares competentes.

A Comissão Juncker deve suceder à Comissão Barroso a 1 de novembro.