O alemão Martin Schulz foi eleito este sábado candidato à presidência da Comissão Europeia, em Roma, pelos socialistas europeus (PSE), cujo mote para as eleições de maio é «Europa muda de rumo».

O atual presidente do Parlamento Europeu foi eleito por uma maioria de 368 votos num total de 404, no X Congresso do Partido Socialista Europeu, que reuniu cerca de 800 delegados, incluindo todos os primeiros-ministros socialistas da União Europeia.

Na votação, Schulz teve dois votos contra e foram registadas 34 abstenções.

Pela primeira vez, no âmbito do Tratado de Lisboa, os chefes de Estado e de governo da União Europeia (UE) vão ter em conta os resultados das eleições europeias para a presidência da Comissão.

«A minha primeira prioridade como presidente da Comissão será o emprego», anunciou Schulz após a votação, acrescentado a ambição de «reduzir o fosso entre ricos e pobres, entre países grandes e pequenos».

«Perdemos o otimismo sobre o nosso futuro. Está na hora de agir, de lutar por uma Europa social e democrática», defendeu.

Atualmente, os sociais-democratas estão no poder de 11 dos 28 países da UE e, no Parlamento Europeu, o PSE soma 195 deputados contra os 275 do Partido Popular Europeu.