O primeiro-ministro dinamarquês anunciou esta quinta-feira que o país está disposto a receber mil refugiados, voluntariamente e fora do sistema de quotas obrigatórias proposto pela Comissão Europeia (CE).

Lars Lokke Rasmussen reiterou que a política de imigração e asilo dinamarquesa "não será decidida por Bruxelas", mas reconheceu que a Europa vive uma "situação extraordinária" para a qual é necessário adotar "soluções comuns".

A Dinamarca não está obrigada a participar na distribuição de refugiados proposta por Bruxelas, já que mantém uma exceção à política comunitária da Justiça e Interior, tal como o Reino Unido e a Irlanda.